quarta-feira, 27 de outubro de 2010

exprimo


, upload feito originalmente por frontierpsychiatrist.

palavras que cheiram a guardado.
como se a todo instante buscassem o mover dos olhos de Maria, mas suas pálpebras continuassem cerradas, estivessem mesmo presas por uma ternurinha, filete de poeira que já se apelida de esquecimento.








mil fotografias do ontem perdidas em meus dedos


, que escrever é ressuscitar o instante sem a certeza do agora.

6 comentários:

Paula § Danna disse...

Boas vindas, de novo!!!
Cada palavra sua é um renovo em minha alma poética.. :)

Bjusss

Nathie disse...

Sempre bom poder te ler de novo. Adoro as histórias da Maria.

Márcio disse...

Resolveu ficar nesse mesmo? fala logo pq eu sou violento

Márcio disse...

ah! escreve algo mais visceral sobre maria. tipo a mesma numa crise existencial, onde ela se pergunta o qual a existencia mais importante: a dela ou do menino kimbu, o africano?

algo assim... fuckse!

Jess disse...

hahahahaha

M.,

resolvi. ternurinhas são legais, mas nada como estar em casa.

J.

Jess disse...

p.s. primeira tentativa de tirar maria das gavetas e seus filetes de poeira.